Fórum dos Alunos

Visita da Escritora Olinda Beja à nossa Escola

Visita da Escritora Olinda Beja à nossa Escola

por Utilizador apagado -
Número de respostas: 1
No dia 17 de Fevereiro a escritora Olinda Beja visitou a nossa Escola. Houve três sessões muito animadas, com musica, canções, poemas, alegria e muita coisa mais. Na ultima sessão, alguns alunos do 8ºA começaram por cantar uma canção à escritora entitulada como "Aioé aioé, minha terra S. Tomé" acompanhado por guitarras acústicas com a prof. Ana Luísa e o aluno Filipe (8ºA). Proseguimos, então, com a biografia da escritora, e mais à frente vimos umas fotos de S. Tomé. Também houve espaço para umas perguntas como estas que são curiosas:

Paulo Veiga (8ºB) - Existem hospitais em S. Tomé?
Olinda Beja - Claro que sim, a imagem que as televisões portuguesas passam na TV são as piores de Africa (...) parece que é para os outros povos não viajarem até lá para não estragar a riqueza que tem aquelas terras...

Hugo Inácio (9ºA) - Porque é que a Africa, tendo muitos diamantes, ouro e marfim, porque é que é um povo tão pobre?
Olinda Beja - Olha tu tocaste numa ferida que não era tocada à tempo. Eu vou-te responder com uma frase da minha avó que morreu com 120 anos: "Nós somos pobres por sermos tão ricos".

João Padilla (8ºB) - Porque é que a "Boca do Inferno", em S. Tomé, é muito perigosa?
Olinda Beja - Bem, como aquilo é estreito (...) com rochas dos dois lados, a água entra com força (...) e lança um grande jacto de àgua, muito bonito mas quando uma pessoa vai para lá não tem hipóteses. Um dia o Director do Banco Mundial foi para lá... Morreu!

Pedro Miranda (8ºB) - E quando vão para o mar, não têm medo dos tubarões?
Olinda Beja - Não. Em S. Tomé há três tipos de tubarões (...) e quando nós somos pequenos as nossas mães ensinam-nos a não ter medo deles (...).

A sessão terminou quando o 8ºC entregou uma caixa à escritora.
Em resposta a 'Utilizador apagado'

A Canoa Desce (Olinda Beja)

por Utilizador apagado -
A canoa desce
O rio lembá
A canoa desce
E fica por lá
E fica por lá
No rio lembá
Wuélélélélé
Wuéléléléá


A canoa desce
No rio Paguê
A canoa desce
Sem saber porquê
Sem saber porquê
O rio Páguê
Wuélélélélé
Wuéléléléá

(...)
In Olinda Beja